11 de abril de 2012

you're my person

Estou há imenso tempo para te escrever. Sim, a ti, Mariana. Eu sei que estás aí. Nem vou comentar a velhacaria que é tu andares há tempos por aqui e nunca me teres dito nada, senão o texto vai sair torto. Bom. nos conhecemos há quatro anos lectivos, mas às vezes tenho a sensação que já nos conhecíamos antes disto tudo. Tenho a sensação que já sabes tudo e mais alguma coisa sobre mim, mesmo que, por vezes, ainda demore algum tempo a contar-te algumas das confusões em que me meto. Mas conto, conto sempre. E porquê? Talvez por causa dos meses em que partilhámos uma casa de banho e um corredor. Lembro-me perfeitamente de ter chegado completamente aterrada a Lisboa, com medo de não me dar com ninguém, com medo de não me adaptar, embora desejasse a mudança há anos. Lembro-me de terem sido os Gatos a unirem-nos com o seu Zé Carlos, já não me recordo de todos os pormenores porque, como sabes, a minha memória é fraca. Mas lembro-me que começámos a deixar a porta aberta, começámos a deixar trancada apenas a porta de fora quando saíamos, começámos a falar de um quarto para o outro, começámos a ir para o quarto uma da outra (mais para o teu, que o meu era minúsculo), começámos a deixar recados em post-its porque sim, começámos a fazer palhaçadas e até nos ligaram para nos mandarem calar. Meu Deus, parece que já passou tanto tempo.
Sinceramente, não sei o que teria sido de mim se não tivesse partilhado o "apartamento" do segundo andar desta residência contigo. Não sei como teriam sido estes quatro anos sem as nossas sessões fotográficas (por falar nisso, quando é a próxima?), sem as nossas gargalhadas, sem as nossas (muito esporádicas) brigas, sem os tiros que prometemos dar aqui dentro, sem as nossas comidinhas, sem as nossas idas ao já-não-tão-adorado-chinês, sem as tuas entradas de rompante no meu quarto quando eu não estava bem, sem os nossos abraços. Sabes, és das poucas pessoas a quem gosto de dar abraços. No fundo, acho que foste tu que me fizeste perceber que aquilo que eu considerava uma utopia ainda existe. A amizade. Porque é a ti que eu ligaria a meio da noite se precisasse de alguma coisa, embora saiba que dormes com o telemóvel desligado (lamento informar-te, mas isso terá de acabar quando eu sair daqui). Porque é a ti que eu vou convidar para seres madrinha de tudo e mais alguma coisa que há-de acontecer na minha vida. Porque é a ti que eu conto os meus problemas (já) sem vergonha na cara (sim, esses mesmos). Porque hei-de ser tia dos teus filhos, quer arranje ou não um gajo com irmãos, e tu dos meus (se algum dia me aventurar nessas andanças). Porque há-de ser contigo que hei-de fazer uma viagem onde men are not allowed, quando formos mulheres de sucesso. Porque hei-de continuar a confiar no teu bom gosto para filmes, livros e músicas. Porque és a minha pessoa preferida. E porque hei-de gostar sempre muito de ti.

11 comentários:

Aflito disse...

És tão lamechas... :|

Xana disse...

Não sejas invejoso, um dia escrevo um para ti. Oh, wait...

Vic disse...

Isso parece-me um clube do Bolinha, mas ao contrário...

Xana disse...

Vic: isto é só uma residência universitária :|

faa disse...

E eu que achava que eras umas rapariga que não fazia este tipo de discursos! xD

Xana disse...

faa: não percebi se isso é uma coisa boa ou má :P
A verdade é que eu também achava que não fazia este tipo de discursos...

faa disse...

Então pronto, já respondeste ao que quis dizer. Não és uma rapariga deste tipo de discursos :)

Não quer dizer que as vezes não são necessários.

Xana disse...

faa: safaste-te bem com a resposta :P

faa disse...

Olha que temi o pior, desejei estar caladinho. Mas arrisquei xD

Xana disse...

Ahahah, estás cheio de sorte então!

Mariana disse...

Apesar de eu ser só lamechas quando escrevo (quando penso, então), não consigo estar lamechas. Penso que é o estudo que me dá a volta à cabeça.
Apesar de já saber tudo o que escreveste, é sempre bom que nos mostrem aquilo que sentem por nós - e tu sabes que valorizo isso - e fico muito feliz :)Para além de que é sempre bom recordar o "mariquices à parte, quem não gosta do Zé Carlos é muita estúpido!"
Espero já estar menos chata hoje, btw, porque dizeres que sou chata enjoa !
Love you girl *